terça-feira, 26 de outubro de 2010

Fiz amor com a morte


Ontem à noite
Fiz amor com a morte.
Vejam que sorte!
Um, num milhão.
E não é uma opção!
É uma questão
De vida ou de morte.
Dar-lhe prazer
Antes de morrer
É um apanágio
De quem quer viver.
De negro vestida
Dizem as gentes
De foice na mão
Dizem os crentes.
Mas na intimidade!
Deixa saudade.

Bravo

2 comentários:

  1. Bravo, meu querido! :)

    Adoro os seus versos... sempre me surpreendem! Amei o poema!

    Beijos e linda noite pra vc!

    ResponderEliminar