quarta-feira, 14 de abril de 2010

Eterna cegueira


Olho…
Através da janela
Com o olhar
Fixo no horizonte.
Mas!...
Não consigo
Ver nada.
Os meus pensamentos
Cegam-me.
Tento…
Tento
Alcançar o vazio
Para recuperar
A visão.
Destruo
Barreiras temporais
Muros de sentimentos.
Mas!
Sinto…
Que vou implodir
De nadas
Na minha
Eterna cegueira.
Bravo

6 comentários:

  1. Lindo dia, poeta!
    Teu poema me lembrou algo que escrevi ontem, entre razão e emoção: "você sorriria, ao me ver assim, vestida de mim, e só."

    Beijos nesse coração

    ResponderEliminar
  2. Faço meu o teu sentimento, querido. Gostaria de ter, eu, escrito esses versos!!!
    Um abraço

    ResponderEliminar
  3. Gostei.
    e como sempre deixa-me dizer que adoooooooro os teus desenhos. desenhas a quê?tinta-da-china?

    ResponderEliminar
  4. Teu poema fala das idéias que se fixam. O apego, sobretudo ao passado faz cegar.
    Sentimentos tão humanos, teu verso é feito de sentires cotidianos.
    abraços

    ResponderEliminar