segunda-feira, 26 de abril de 2010

Insisto.


Insisto. Não desisto
As palavras gritam. Libertam-se
O que se passa!? Tudo!? Ou nada!?
Reconheço-me
Na busca do encontro.

Somos também reencontro.
No meio de nós existe a ponte
Do prazer, do conhecimento.
Um oceano de ecos
Dos nossos sussurros
Dos nossos lamentos.

Na beira do cais
Choro sozinho.
Procuro nos sinais, nos acenos,
Nos demónios, nos anjos e demais…
Que me levem deste cais.

A distância se torna dor…
Dor de vazio
Sufoco da alma
De querer e não puder
Cheirar o perfume… de nada!

Existo. Não desisto…
Atrevo-me!
Caminho entre flores
No lirismo da poesia.
Sou alma irrequieta
No abstracto dos sonhos.

Sou, simplesmente, poesia…

7 comentários:

  1. Olá!

    Amei sua poesia, como é ruim "querer e não puder" sei bem como é isso...
    Bjs

    Mila

    ResponderEliminar
  2. Bravo,

    Linda imagem... e a poesia encantadora!

    Transforme os sentimentos e viva-os mesmo na distância. Podes muito mais do que imagina, basta acreditar.

    beijos meu amigo.

    ResponderEliminar
  3. Há tanta "boniteza" nessa melodia de postagem que me extasia...que extasiada me encontro...
    Mais não lhe digo...

    Poeta, encerrei minha labuta há 1h00m da manhã desta terça. Creia! Prometo que retorno no curso do dia.

    Beijos,

    ResponderEliminar
  4. Maravilhoso, meu amigo Bravo!
    A cada post seu, mais me encanto com sua poesia!!!
    Um forte abraço

    ResponderEliminar
  5. Bravo, apresentas, aqui, duas formas artísticaas para exprimir as tuas emoçoes. O engraçado é que quando eu gosto muito do desenho , gosto menos do poema e vice-versa. de repente lembrei-me de algo me disseram logo que comecei a mostrar as minhas coisas em blogue de amigos, por vezes a beleza de uma das formas de expressão rouba-nos a atenção para a a outra. ultimamente tenho-me questionado a mim mesma se não deveria (eu) fazer postagens separadas: pintura/fotografia/poema. o que e que tu achas?
    beijinho

    ResponderEliminar
  6. Diacho de paixão que me leva e me arrebata
    Quanta boniteza sentir sem tocar
    Um dia viro poeta, só pra agradar e conquistar.
    Poesia na alma e no jeito de amar,
    Um dia o amor se encontrará.

    Mulher de palavra, alma cadente, prazos elásticos... Um dia viro gente...

    Beijo o autor da face florida cujo traço é poesia

    ResponderEliminar